O evento é on-line e gratuito e será realizado entre os dias 14 e 23 de setembro

O Sebrae Minas, em parceria com o Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados e o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), abre inscrições para a Semana do Empreendedorismo para Migrantes e Refugiados. On-line e gratuito, o evento será realizado de 14 a 23 de setembro, das 18h às 19h. Os interessados deverão se inscrever acessando este formulário on-line.

De acordo com dados disponibilizados pelo Observatório das Migrações Internacionais (OBMigra), de 2011 a 2019, mais de 1 milhão de imigrantes foram registrados no Brasil. Cerca de 58 mil, de centenas de nacionalidades, residem em aproximadamente 500 municípios mineiros. Já segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM), entre 2016 e 2020, dos mais de 4.000 brasileiros que emigraram para outros países e retornaram com o apoio da instituição, quase 700 voltaram para Minas Gerais.

A Semana do Empreendedorismo tem como objetivo sensibilizar brasileiros retornados, imigrantes e refugiados sobre a importância de buscar orientação e capacitação para empreender e gerar renda. “O que há em comum nesse público, que pensa em abrir um pequeno negócio ou já está no mercado, é a vontade em empreender e a incerteza do que fazer. Muitos desses imigrantes, refugiados e brasileiros retornados buscam no empreendedorismo uma alternativa de inserção no mercado de trabalho”, afirma a analista do Sebrae Minas Delaine Cordeiro.

Durante a programação, os participantes terão acesso a capacitações on-line sobre temas como economia solidária, marketing digital, precificação e originalidade, e receberão dicas sobre como empreender com poucos recursos e se formalizar como um microempreendedor individual (MEI).

O Sebrae Minas ainda vai oferecer orientação e conteúdos sobre ideias de negócio, primeiros passos para a abertura de uma empresa, além de atendimento especializado sobre legislação, finanças, marketing e recursos humanos. “Estamos preparados para oferecer todo o suporte para esses empreendedores se estabelecerem no mercado”, reforça a analista.

Oportunidade em Minas Gerais
Devido à situação política, econômica e social enfrentada pela Venezuela, Luísa Rojas decidiu deixar o país no final de 2018. Com a ajuda do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados, ela e a família vieram para a capital mineira. Chegando a Belo Horizonte, Luisa conseguiu um emprego de assistente de cozinha, mas, com a pandemia, teve que buscar novas alternativas de renda. “Já fazia alguns doces para a minha família, e as pessoas gostavam muito, como o golfeado, um tipo de pão doce temperado com rapadura, erva-doce e queijo”, conta.

No ano passado, Luísa decidiu empreender e abriu a Dulcíssimo Confeitaria, onde produz bolos decorados, pães gourmet e rocamboles. Com o negócio formalizado, a empreendedora tem buscado capacitações e cursos nas áreas de gastronomia e redes sociais para melhorar os resultados da confeitaria, que passou a contar com o serviço de vendas pelo WhatsApp e Instagram. “Ainda enfrento dificuldades no empreendedorismo, principalmente com o ambiente digital, mas estou pronta para aprender. Quero oferecer novos produtos com receitas venezuelanas e alavancar o negócio”, finaliza.

Saiba mais nas Agências de Atendimento do Sebrae em Minas Gerais ou clique aqui para solicitar o contato de um dos especialistas em atendimento exclusivo a migrantes e refugiados em Minas Gerais.

Programação


14/09 – Comece certo: como empreender com poucos recursos

15/09 – Economia Colaborativa: A nova era da cooperação

16/09 – Marketing Digital para pequenos negócios: como começar

21/09 – Formalização MEI

22/09 – Preço de venda: como precificar produtos e serviços

23/09 – Chega de mesmice: como ser original para vender mais


0 comentário

Deixe uma resposta

error: